BC&T‎ > ‎

Eleições para a Reitoria, BC&T/Engenharias e as Manifestações dos alunos da UFVJM

postado em 29 de abr de 2011 12:46 por André Luiz Covre   [ 2 de mai de 2011 17:09 atualizado‎(s)‎ ]
            A eleição que irá decidir o Reitor e o Vice-Reitor da UFVJM nos próximos quatro anos se aproxima, será no dia 03 de maio. Com a paridade, os votos dos discentes, docentes e técnico-administrativos terão o mesmo peso. É de extrema importância que todos os membros da comunidade acadêmica acompanhem e participem do processo eleitoral no intuito de torná-lo o mais democrático possível. Analisar os candidatos, suas propostas e objetivos são atitudes que podem pesar na hora de decidir o melhor para a universidade e para o BC&T. Exercendo a democracia, ajudamos a fazer da UFVJM uma universidade cada vez melhor.

As principais informações sobre as eleições podem ser encontradas no link <http://www.ufvjm.edu.br/site/comissaoeleitoral/>

         No dia 15 de abril, a pedido do comitê de campanha da chapa 1, o candidato a reitor, Professor Dr. Pedro Angelo Almeida Abreu e o candidato a vice-reitor, Professor Dr. Donaldo Rosa Pires Junior apresentaram algumas de suas propostas e responderam perguntas de professores e alunos do ICT, alguns representantes da Facet e outros órgãos da Universidade também participaram do encontro.

           

           Temas de grande importância para o BC&T e para a Universidade foram questionados pelos alunos e discutidos pelos candidatos, entre eles: cantina, transporte, moradia estudantil, crescimento da UFVJM, qualidade do ensino, estágios para o curso, entre outros. Outro tema de grande questionamento por parte dos discentes foram as Engenharias. Alguns questionaram os motivos de elas não estarem lotadas no ICT. A posição exposta pelo candidato da chapa 1 foi a de que CONSEPE, órgão colegiado competente é que decidirá sobre isso.  Presenciamos alguns momentos de tensão com relação a esse assunto, pois o evento havia sido marcado para apresentação das chapas e não para discutir este assunto. Mesmo assim, nada foi explicado sobre os eventos históricos que levaram as Engenharias estarem ligadas a FACET.

A comissão de campanha da chapa 2 não procurou o ICT para promover um encontro do mesmo tipo.


Necessidade de se valer o termo Universitário

No dia 23 de Março o DCE organizou uma assembleia para a discussão de assuntos acadêmicos que estão ganhando maiores proporções e preocupando os alunos da Universidade. Entre as pautas da assembleia estavam assuntos relacionados com o transporte para o campus JK, a infraestrutura da UFVJM e o trotão. Segundo os membros do DCE, apesar de presentes apenas 40 acadêmicos, foi a primeira vez que houve tantos discentes envolvidos, mostrando o comprometimento para buscar melhores condições universitárias.

Com alunos de quase todos os cursos presentes, e principalmente do curso BC&T, foi possível fazer uma apanhando geral das opiniões e entender as manifestações que estão ficando mais evidentes com o desenvolvimento expressivo da faculdade.

A busca para soluções quanto ao transporte foi sem duvida um dos principais assuntos, pois a LOCAVEL empresa responsável pelos ônibus, sem medo de perder o trajeto Diamantina-UFVJM, não esconde a despreocupação no excessivo número de estudantes e funcionários em pé nos ônibus nos horários de pico. Além disso, essa mesma empresa que não se preocupa com a superlotação dos seus ônibus, pretende aumentar o valor da sua passagem em 50%. Procurando resolver esses problemas, foi criada uma comissão de transporte para ficar responsável por qualquer tipo de novidade sobre o assunto e estudar propostas de soluções.

Outra pauta discutida foi a infra-estrutura da Universidade, que com a criação dos seus novos cursos e, em breve, a transferência de todos os outros cursos para o campus JK, irá necessitar de um refeitório que suporte a quantidade de alunos, funcionários e professores. Apesar de parecer um pouco distante esse melhoramento, foi possível perceber, com a manifestação dos acadêmicos frente ao Reitor Pedro Ângelo, que a pressão feita pelos alunos pode sim resolver algumas necessidades mais evidentes. Além disso, a preocupação com a entrega dos novos espaços criados também se tornou parte da reunião. Já que a cada pergunta feita ao reitor ou a qualquer outro responsável pelas obras produziram algumas respostas divergentes, como prazo de entregas e as licitações para preenchimento dos serviços oferecidos. Desse modo, também foi criada uma comissão para tomar partido dos Universitários, e fazer perceber que estamos valendo dos nossos direitos.

Como não podia de ser esquecido, o Trotão foi o assunto que os estudantes mais se manifestaram. Afinal, a festa que é esperada por todos universitários sempre traz “dor de cabeça” para quem o organiza (DCE). Valendo de dados que o Trotão consegue superar o número de pessoas dando entrada no hospital que o carnaval (principal festa da cidade), a prefeitura e o juiz de Diamantina não escondem a vontade de vetar a festa. Porem, ficou decidido que esse semestre haverá o trotão, mais que diferentemente dos anos anteriores, não poderá ter seu ponto de chegada na rua da quitanda, como de costume, e sim  no Campo do Tijuco.

Fica evidente que não cabe apenas aos membros do DCE procurar valer nossos direitos, e sim cada universitário estar por dentro dos acontecimentos da sua faculdade envolvendo-se com ela de forma efetiva.

 

Fabiana Helen dos Santos

Luan Alves Souza

Comments